Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 dias

Photo Blog

Quando nos faltam as palavras...

 

Os acontecimentos dos últimos dias deixaram-me com um nó na garganta... daqueles nós que nos deixam sem palavras, a olhar para dentro, sem saber o que dizer, sem saber o que pensar... desnorteados nas nossas certezas, perdidos nos nossos sonhos e projetos de cristal.

Quando os porquês não nos trazem as respostas e não nos devolvem os que partiram, nada parece fazer sentido e pouco adianta teorizar.

Não consegui evitar sentir-me frágil, vulnerável e tão pequena no meu nó mudo, que quase estrangula.

Continuamos a caminhar ao lado dos que amamos e trazemos dentro de nós: essa é a imortalidade da alma e a eternidade do amor.

 

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo

(Sophia de Melo Breyner)

 

 

... foram as palavras que encontrei para descrever o que sinto.

 

Instagram

Acampar com estilo

glamping-tendas-yurt.jpg

 

Acampar é uma excelente opção para quem gosta de férias ao ar livre e estar em contacto com a natureza. É também uma boa opção para ir com os miúdos que aprendem a desenvolver tarefas, autonomia e cooperação.

Mas acampar não é para todos.

É preciso gostar e ter um espírito aberto para embarcar numa aventura destas, que requer alguma organização e planeamento, para que as coisas corram bem no terreno.

Os melhores meses para acampar são Junho e Setembro. Está calor, mas não em demasia, podemos ir à praia e fugimos das multidões dos meses de Julho e Agosto, permitindo aproveitar melhor o contacto com a natureza.

A única vez que fui em Agosto, jurei para nunca mais. Passei a noite a ouvir a respiração do senhor da tenda ao lado, que para além de ressonar que nem um urso ainda falava durante o sono.

Eu sou o verdadeiro não campista. Para dizer a verdade, só comecei a acampar há relativamente pouco tempo, porque achei que era um programa giro para fazer com a minha filha.

É claro que a miúda ADOROU, DELIROU, AMOU - e eu acabei por ter que comprar uma tenda e passei a acampar quase todos os anos. Mãe sofre!

Quem gosta de acampar sabe que é preciso entrar no espírito da coisa. Deixar os pormenores de lado, curtir a natureza e a liberdade que uma tenda e um fogareiro nos dá.

Para aqueles que acham que o campismo não é para eles ou que simplesmente querem fugir ao campismo tradicional, da tenda às costas, tachos e panelas, talheres de plástico e das adoráveis latas de atum, existem outras opções, menos cansativas, muito confortáveis e que garantem toda a magia da experiência.

Seja a dois ou em família porque não optar por fazer glamping?

 

Glamping-tendas.jpg

 

O glamping, não é mais do que acampar sem tenda própria e com muito menos logística. É uma espécie de upgrade do acampar, numa versão mais charmosa e menos trabalhosa do que a versão “casa às costas”.

O termo resulta da junção da palavra Glamour com Campingglamping é acampar com glamour ou se preferirem com charme. Trata-se de um turismo ecológico, que utiliza eco-estruturas, integradas no meio ambiente. O respeito e a comunhão com a natureza estão acima de tudo, que aliados ao conforto que estas estruturas oferecem, tornam a experiência inesquecível.

Em Portugal já existem muitos locais onde é possível fazer glamping, que tem como grande vantagem o não precisarmos de tenda própria, tornando esta atividade menos trabalhosa e dispendiosa (para quem não quer ter o investimento inicial de comprar a tenda e os restantes acessórios). Em alguns casos, o serviço inclui pequeno-almoço, mas também podem optar por continuar a preparar as vossas refeições no local.

A minha primeira experiência em glamping foi numa tenda típica da Mongólia ou Yurt, inserida numa quinta de turismo rural ecológico, ali para os lados de Tomar.

São tendas redondas e muito espaçosas, com uma janela no topo (uma espécie de clarabóia) que deixa entrar a claridade, dando a sensação de estarmos a dormir a céu aberto. Estas tendas eram originalmente usadas pelos pastores nómadas da Mongólia.

São compostas por uma estrutura interna de madeira, que é coberta por tela no exterior e tecido no interior, oferecendo uma boa proteção contra o calor e o frio. Este isolamento interior proporciona uma climatização do espaço, fazendo com que esta atividade não seja uma opção exclusiva do Verão.

A tenda estava mobilada com uma mobília rústica e um fogão a lenha para os dias mais frios de inverno.

 

Yurt-tendas-camping.jpgTenda-yurt-glamping.jpg

 

O glamping é uma alternativa divertida, confortável e menos cansativa para se fazer a dois ou com crianças, que vão adorar a ideia de dormir em cabanas.

Este ano não escapo a um acampamento tradicional e até já ando a comprar as latinhas de atum, mas faz parte dos meus planos passar um fim de semana a descansar por aí, algures perdida, numa cabana no meio de Portugal.

 

Instagram

10 Motivos para passar um fim de semana na Serra da Estrela

 

Vale do rossim.jpg

 

O ano passado fui à Serra em Março e falei-vos disso aqui.

Este ano voltei em Abril.

Ainda apanhei um pouco de neve na torre, o que contrastou com as temperaturas altíssimas que se fizeram sentir na região da grande Lisboa, durante essa semana.

A serra é marcada pelos ciclos naturais e cada estação imprime-lhe características muito próprias.

No inverno, a neve e o branco cobrem a paisagem e dão-lhe um encanto especial. Mas é na Primavera e Outono, com temperaturas amenas e cores fabulosas, que a serra se transforma no paraíso para quem gosta da vida ao ar livre e de longas caminhadas no meio da natureza.

Como tenho alguma dificuldade em fazer uma seleção dos sitios mais giros (gosto de tantos), optei por listar 10 bons motivos e algumas ideias para um fim-de-semana na serra.

 

1. Subir à Torre

 

Serra-da-Estrela-torre.jpg

 

A torre é o ponto mais alto da Serra da Estrela e também de Portugal Continental.

Com uma altitude de 1993 mt, é aqui que estão situadas as pistas de sky, o teleférico e onde a neve se demora mais. Há também um restaurante e lojas com produtos típicos da região.

Este é um ponto obrigatório para os amantes dos desportos de inverno. Durante o Verão, transforma-se num excelente local para passear e admirar a paisagem serrana.

Em pleno Abril, com um calor abrasador lá para os lados de Lisboa e depois de ter passado a semana inteira a levar a minha filha às aulas de surf em Carcavelos, estava longe de pensar que iria acabar a semana no topo da serra a fazer bonecos de neve.

Já não havia muita, é certo. As pistas estavam fechadas e o leve nevoeiro dava um ar meio misterioso e abandonado à estância, agora local de brincadeiras e muita diversão.

 

2. Observar a paisagem na Lagoa Comprida

 

Serra-da-Estrela-Lagoa-Comprida.jpg

 

A caminho da torre não deixem de visitar a Lagoa Comprida. Com origem glaciar, é a maior lagoa da serra.

A construção da barragem no inicio do século XX, transformou-a no maior reservatório de água e no principal produtor de energia da região.

Aproveitem também para cumprimentar os cães da Serra que por lá andam. São meigos e dedicados aos donos mas, se sentirem a tentação de levar um deles para casa, lembrem-se que são animais grandes e precisam de algum espaço para se desenvolverem.

É um local de paragem obrigatória pelas vistas e riqueza paisagística.

 

3. Admirar a Senhora da Boa Estrela

 

Serra-da-Estrela-Nossa-Senhora.jpg

 

Na estrada que liga a torre à vila de Manteigas, encontramos esculpida numa enorme rocha uma imagem da Nossa Senhora, conhecida aqui por Senhora da Boa Estrela, padroeira dos pastores da Serra.

A escultura tem mais de 7 metros de altura e está situada no Covão do Boi, a 1850 metros de altitude.

Da autoria de António Duarte, foi inaugurada em 1946, como forma de homenagear a Santa protetora dos pastores da serra, que enfrentam há séculos as intempéries do clima da região.

As festividades de Nossa Senhora da Boa Estrela do Covão do Boi, realizam-se em Agosto, no segundo domingo do mês.

 

4. Passear no Covão D´ametade

 

Serra-da-Estrela-Covao-dametade.jpg

 

Se há sitio que adoro na serra, é este.

O covão d'ametade é um parque natural, localizado a 1425 mt de altitude e atravessado pelo rio Zêzere, que nasce aqui muito perto. Pertence ao concelho de Manteigas e está situado junto à estrada que liga a vila de Manteigas à Torre (km12).

O parque está preparado para receber visitantes, principalmente na Primavera e Verão quando as temperaturas convidam a passeios e piqueniques.

Tem churrasqueiras, mesas, casas de banho, locais para depositar o lixo e zona para acampar.

A paisagem parece tirada de um conto de fadas, com enormes árvores a acompanhar o rio e a pequena ponte em madeira que permite atravessa-lo. No inverno cobre-se de branco e parece que estamos num local tirado de uma passagem de um dos livros de Tolkien.

Quando lá estiverem, olhem para cima e contemplem a imponência e grandiosidade do Cântaro Magro (enorme afloramento granítico).

 

5. Conhecer o Museu do Pão em Seia

 

Serra-Estrela-Seia-Museu-Pao.jpg

 

Já há algum tempo que tinha curiosidade em visitar o Museu do Pão em Seia, na Quinta do Marrão.

É um museu privado que conta a história do pão, a sua evolução e importância ao longo dos tempos, com maior incidência em Portugal.

Na sua génese esteve o desejo de recolher, preservar e mostrar os objetos inerentes a esta atividade, do ponto de vista etnográfico, social, político, religioso, histórico e artístico.

Está dividido em várias salas expositivas: a sala do ciclo do pão (reconstrução do antigo ciclo tradicional do pão português); a sala da arte do pão (exposição de objetos artísticos inspirados no pão e na sua atividade); a sala do Pão Político, Social e Religioso (reconstituição da história do pão em Portugal, a sua evolução e importância entre 1640 e 1974) e o Espaço temático (sala reservada aos mais novos, com atividades didáticas e uma viagem imaginária ao ciclo do pão).

Para quem tem filhos pequenos a visita começa neste espaço temático, onde o ciclo do pão é explicado aos mais novos de forma sucinta, clara e divertida. No final, as crianças põem a mão na massa e levam uma recordação para casa, feita por elas.

O museu dispõe ainda de um restaurante, de um bar/café biblioteca e de uma mercearia, onde podem comprar pão e produtos típicos da região.

Como curiosidade fiquei a saber que o Museu do Pão em Seia é só o maior Museu do Pão em todo o mundo.

Todas e mais informações aqui.

 

6. Dar um mergulho na Praia Fluvial da Loriga

 

Serra-Estrela-Praia-Loriga.jpg

 

No final do Verão passado visitei algumas praias fluviais na zona centro do país, que publiquei aqui aquiaqui e ainda aqui.

Agora foi a vez de conhecer a famosa praia fluvial de Loriga.

Localiza-se a 1km da povoação de Loriga, em pleno parque natural da Serra da Estrela.

A praia está bem sinalizada; partindo da aldeia de Loriga, sigam pela EN231 em direção a Alvoco da Serra e vão encontra-la do vosso lado esquerdo.

As águas são cristalinas e a paisagem é de cortar a respiração. Situada num vale glaciar, surge verticalizada em socalcos que formam pequenas piscinas ao longo do curso da ribeira da Courela.

O local dispõe de infraestruturas de apoio na época balnear: parque de estacionamento, balneários, casa de banho, bar, parque de merendas e até um pequeno parque infantil com baloiços.

Já foi distinguida pela Quercus como a praia com “Qualidade d'ouro”. Em 2012 ficou classificada nas 3 primeiras melhores praias no concurso “7 Maravilhas – Praias de Portugal”. Desde então tem merecido a bandeira azul ano após ano.

Se pararem em Loriga, aproveitem para provar o Bolo Negro, típico desta aldeia que, apesar de não ser muito doce, é uma delicia.

 

7. Visitar a Aldeia de Cabeça

 

Serra-da-Estrela-Aldeia-Cabeça.jpg

 

A pequena aldeia de Cabeça, pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia e está situada a 530 metros de altitude, na margem direita da ribeira de Loriga (afluente do Rio Alva).

Ficou conhecida por ser a aldeia Natal. Isto porque, durante esta época, a aldeia enche-se de festa e animação.

As casas e as ruas são enfeitadas, com elementos provenienes da natureza (giestas, videiras e pinheiros) e luzes. Todo o trabalho é feito pelos moradores da aldeia, que durante a festa abrem as portas de suas casas para receberem os visitantes.

Ainda conserva muitas casas rústicas construídas em xisto.

Por curiosidade, Cabeça foi a primeira aldeia Led em Portugal, utilizando a tecnologia LED (emissão de luz por díodo) na sua iluminação, desperdiçando menos energia.

 

8. Almoçar trutas no Aguincho

 

Serra-Estrela-Trutas-Aguincho.jpg

 

Já se imaginaram a pescar o vosso almoço?

No restaurante o Rei das Trutas, em plena serra, a 700 metros da pequena aldeia do Aguincho, isso é possível.

Não pesco nada do assunto, mas adorei a ideia.

O restaurante disponibiliza canas de pesca para quem queira pescar a sua refeição. De seguida o peixe é pesado e pode ser consumido no local ou levado para casa.

Junto à casa que é o restaurante, mesmo atrás da represa, existem vários tanques que não são mais do que os viveiros das trutas. À frente dessa represa está um lago para onde está virada a esplanada do estabelecimento.

A pequena aldeia do Aguincho é mais uma aldeia serrana, pertencente ao concelho de Seia. Está situada na margem direita da ribeira de Alvoco e é uma das cinco aldeias pertencentes à freguesia de Alvoco da Serra, da qual dista 8 km.

A aldeia do silêncio, como inicialmente lhe chamei, é muito pequena, composta por casas rústicas em pedra de xisto, algumas delas em visível estado de abandono e degradação.

Para além da paisagem, a calma que se sente, o silêncio das ruas, as águas e os banhos refrescantes em águas puras e límpidas, as trutas dos viveiros e os dias de puro descanso junto à natureza, não há muito mais a dizer desta aldeia serrana.

 

9. Respirar fundo no Vale de Rossim

 

Vale do rossim.jpg

 

A Praia do Vale do Rossim é a praia mais alta de Portugal. Localiza-se junto ao maior vale glaciar da Europa, a 1437 metros de altitude, nas Penhas Douradas, no parque natural da Serra da Estrela.

Na época balnear, junto ao grande lago, há canoas, caiaques e gaivotas para alugar.

Existem também outras atividades que se podem praticar ao ar livre como slide, orientação, passeios pedestres, observação das aves, rappel, passeios de jipe, moto 4 e btt.

No local existe um restaurante, um bar lounge com música e esplanada, wi-fi, parque de campismo, yurts (tendas circulares de origem mongol) e uma imensidão de espaço para abraçar o universo.

 

10. Caminhar até à pedra Cabeça da Velha

 

Serra-Estrela-Cabeça-Velha.jpg

 

A cabeça da velha não é mais do que um afloramento granítico, com a forma de uma cabeça que faz lembrar uma velha.

Está localizada na aldeia Senhora do Desterro, na freguesia de S. Romão.

Á exceção de uma placa no inicio do percurso, o local está mal sinalizado, pelo que aconselho perguntarem na aldeia onde fica.

O caminho é feito por um trilho de terra batida, de inclinação mediana que pode ser feito a pé ou de carro. Vão encontrar muitas capelinhas pelo caminho.

Conta a lenda que na serra do penedo vivia, sob a tutela de um tio, uma jovem rica e bela que se apaixonou por um fidalgo pobre. O amor proibido gerou encontros secretos, ajudados pela velha aia da jovem. A cumplicidade entre a jovem e a aia era tal, que esta afirmou que se algum dia a traísse, desejaria que Deus a transformasse numa rocha.

Quis o destino que a velha aia, debaixo de grandes ameaças do tio, acabasse por trair a jovem, transformando-se assim na rocha que ainda hoje permanece no local.

Na Senhora do Desterro aproveitem para visitar a praia fluvial.

 

E vocês conhecem algum sitio especial na Serra?

 

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sobre Mim

Olá! Criei este espaço para partilhar momentos, fotografias, viagens e locais que vou conhecendo. Todas as fotos publicadas são da autoria do 365dias... espero que gostem!

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D